Estudantes divulgam sobre Misofonia

Exposição sobre a Misofonia

Nos dias de 27 a 29 de novembro, alunos apresentaram um trabalho de divulgação sobre Misofonia em evento cultural. São 18 alunos do 7º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio São Raimundo Nonato, em Santarém, estado do Pará. Eles participaram do XXVI Passo Cultural apresentando o trabalho MISOFONIA: SÍNDROME DA AUDIÇÃO SUPERSENSÍVEL – CONHECER E RESPEITAR

Tudo começou meses há 6 meses atrás, quando Mirian Rodrigues que apresenta os sintomas de Misofonia e Hiperacusia, desejou participar da Divulgação da Misofonia. Então ela entrou em contato com a nossa Associação e com a Dra. Tanit Ganz Sanchez, idealizadora do Novembro Laranja – Campanha Nacional de Divulgação sobre Zumbido, Misofonia e Hiperacusia, onde pudemos trocar ideias de como ela poderia ajudar em nossas campanhas na cidade de Santarém.

Mirian procurou a secretaria Municipal de Saúde e de Educação, mas foi na recepção da clínica, onde ela realiza psicoterapia, que é parte do tratamento para os sintomas de Misofonia e Hiperacusia, que conheceu a professora Gracinês Costa. A professora leciona na escola São Raimundo Nonato, a mesma onde Mirian estudou na infância e início da adolescência. Mirian relata que:

Eu gosto de falar das sensibilidades a professores pois estes podem ser o primeiro olhar para identificar crianças portadoras destes problemas

Por coincidência, Gracinês também foi professora da psicoterapeuta que atendia Mirian. Então foi através das duas que a professora ficou sabendo sobre Misofonia e Hiperacusia.

A professora achou o tema interessante, levou-o para seus alunos que então decidiram desenvolver um trabalho sobre misofonia e apresentá-lo no Passo Cultural, evento realizado anualmente na escola. Os alunos realizaram uma entrevista com Mirian com diversas perguntas sobre como ela lidava com o problema. Eis algumas que destacamos:

  • Como foi o diagnóstico?
  • Sofreu algum tipo de bullying?
  • Que tratamento você faz?
  • Qual sua reação quando é vista como anti-social?
  • Como você realiza suas atividades em ambientes com várias pessoas?
Mirian (ao centro), Gracinês (mais a esquerda) e os alunos do 7º ano no dia da entrevista

Mirian relata que ficou emocionada com o respeito e consideração demonstrados e no grande esforço de não produzirem ruídos de baixo volume (mastigação, assobio) que pudessem desencadear nela, as reações emocionais negativas, um dos sintomas da Misofonia assim como não produziram ruídos intensos (gritos, correrias no piso) que pudessem causar desconforto auditivo e são um dos sintomas da Hiperacusia. Os alunos posteriormente também entrevistaram a psicoterapeuta para entender o papel desta no tratamento da Misofonia.

Por outra feliz coincidência a data do evento Passo Cultural coincidiu com os últimos de campanha do Novembro Laranja.

Para este evento , foi montado uma apresentação sobre Misofonia dentro dentro de um Toldo Exposição. Um painel explicativo também foi elaborado. O resultado pode ser visto nas fotos abaixo:

Graças aos esforços de pessoas como Mirian, da professora Gracinês e seus alunos, várias pessoas entre alunos, pais e professores puderam conhecer e divulgar sobre Misofonia. Temos esperança que mais escolas e instituições abracem causa e a divulguem Misofonia ainda mais

Todos os que sofrem por causa da Misofonia agradecem!

Semana Estadual de Conscientização sobre Misofonia – SECSM-2020

Campanha de 2020

O Estado de São Paulo é pioneiro em criar uma Lei que institui a [Semana Estadual de Conscientização sobre a Misofonia], a ser realizada, anualmente, na segunda semana de maio. O evento levará a portadores de Misofonia, profissionais de saúde, juristas e associações a oportunidade para debater questões como as dificuldades que os pacientes enfrentam desde a obtenção de um diagnóstico até o acesso ao tratamento adequado e a falta de capacitação do profissional da área da saúde. 

A Lei No, 16.638 foi sancionada pelo Governo de São Paulo a Lei em 5 de janeiro de 2018. O Projeto de Lei é de autoria do Deputado Gil Lancaster. 

Conforme o Artigo 1 da Lei, será realizada, anualmente, na segunda semana de maio

A Associação Virtual Brasileira de Misofonia tem a missão de divulgar sobre a Misofonia para toda a sociedade. Durante a campanha estadual realizaremos ampla divulgação para:

  • Divulgação para
    • Prefeitos e Secretários de Saúde (650)
    • Membros de Conselhos Municipais de Saúde (10.545)
    • Hospitais públicos e privados
    • Imprensa
    • Instituições de Ensino e Pesquisa
  • Incentivo a criação de fóruns para Promoção de Políticas Públicas para:
    • Acolhimento de pacientes com suspeita de Misofonia na Rede Pública de Saúde: SUS, CAPS, RRAS,UBS, Clínicas Universitárias
    • Elaboração de Protocolos Técnicos para manejo terapêutico
    • Apoio Jurídico para questões de cidadania

Em 2020 realizaremos a terceira edição desta campanha. O projeto será desenvolvido na Área de Projetos do PGCM

Acesse as edições anteriores no Facebook:

SECSM-2018

SECSM-2019

Nossa Publicação na OMS – Organização Mundial de Saúde

Dia Nacional da conscientização sobre a Misofonia – 2019

A Campanha sobre a Misofonia tem o objetivo principal de informar corretamente à população, autoridades e profissionais sobre esse transtorno que afeta milhares de pessoas no Brasil e no mundo. É objetivo,também, incentivar mais pesquisas sobre a Misofonia, um tipo crescente de hipersensibilidade auditiva e intolerância a sons baixos e repetitivos do dia a dia. Conhecida também como Síndrome de Sensibilidade Seletiva do Som ou 4S, esse incômodo, em mais de 90% dos casos, tem início na infância e na adolescência. Além disso, a falta de conhecimento faz com que os misofônicos sejam taxados. Isso aumenta ainda mais seu sofrimento, seja no seio familiar, no trabalho, escola, lazer, relacionamentos, etc.

O Dia Nacional da conscientização sobre a Misofonia ou Dia M, surgiu da necessidade de se criar um evento de divulgação, a AVBM e o Grupo Misofonia Síndrome, em 2017, iniciaram contato com outras iniciativas, como a do projeto então em tramitação na Alesp – Assembleia Legislativa de São Paulo, que posteriormente virou Lei e a campanha do Dia Nacional de Conscientização do Zumbido, denominado Novembro Laranja. Fomos então convidados pelo Instituto Ganz Sanchez a participar de eventos do Novembro Laranja, sendo a data de 12/11 sugerida para o Dia Nacional da Conscientização da Misofonia e 13/12 sugerida para o Dia Nacional da Conscientização da Hiperacusia.

A Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido foi criada em 2006 pela Dra. Tanit Ganz Sanchez para realizar ações voluntárias de divulgação do assunto durante todo o mês de Novembro, período que inclui o Dia Nacional de Conscientização do Zumbido (11/11). A Campanha recebeu o nome de Novembro Laranja e passou a ser promovida pelo Instituto Ganz Sanchez, incluindo também problemas de hipersensibilidade auditiva: Misofonia (12/11), Hiperacusia (13/11) e Fonofobia.

Acesse o Evento no Facebook em 2017 aqui

Acesse o Instituto Ganz Sanchez e material para divulgação aqui

Lista de Profissionais de Saúde

Esta lista foi elaborada a partir de relatos nos grupos de apoio, através de postagens no Facebook e por profissionais que nos contataram por e-mail.

Vamos migrar e atualizar nossa Lista de profissionais para novo formato até 16/06/2019.

Eis a listagem que estava postada no site anterior até 31/05/2019.

Indique um Profissional que trate pacientes com Misofonia

Indique o nome do profissional que trata pacientes com Misofonia
Indique qual é a especialidade do Profissional de Saúde
Qual o endereço onde o profissional atende
Qual a cidade que profissional atende
Telefone ou celular para contato

Mapa Mental da Misofonia

Mapas mentais são ferramentas de gestão do conhecimento que procuram representar, com o máximo de detalhes possíveis, o relacionamento conceitual existente entre informações que normalmente estão fragmentadas, difusas e pulverizadas no ambientes de pesquisas científicas ou profissionais. 
O termo Mapa mental é a denominação para um tipo de diagrama, criado e sistematizado pelo psicólogo inglês Tony Buzan, dirigido para a gestão de informações, de conhecimento e de capital intelectual; para a compreensão e solução de problemas; na memorização e aprendizado; na criação de manuais, livros e palestras; como ferramenta de brainstorming (tempestade de ideias); e no auxílio da gestão estratégica do conhecimento.

Trecho do Mapa Mental do conhecimento em Misofonia

Em julho de 2017, iniciamos a construção de um Mapa Mental para integrar tudo o que se sabe sobre Misofonia e sobre o “ecossistema” tem torno do tema.

Em outubro de 2017, acidentalmente ele foi excluído para edição na ferramenta de construção de Mapas Mentais. Ficamos só com a versão anterior do mapa, como está exibido nas imagens desta postagem. Esta versão não pode mais ser editada, corrigida ou alterada.

Reiniciamos em de Maio de 2019, a reconstrução deste Mapa, atualizando todas as informações para o que já se produziu de pesquisas e outras informações atualizadas.
Então o mesmo estará disponível para pesquisadores que queiram utilizá-lo em seus trabalhos acadêmicos, suas publicações e que também queiram contribuir para sua construção.

A versão reduzida será publicada em dois idiomas, Português e Inglês e a versão completa estará disponível para pesquisadores, apenas no Portal de Gestão do Conhecimento em Misofonia.

Também, deixaremos parcialmente visível a versão de outubro de 2017 para o público interessado em conhecer mais sobre como estávamos construindo nosso conhecimento sobre Misofonia e alguns raciocínios nossos. Estes foram mudando à medida que passamos a estudar mais de 40 artigos sobre Misofonia, publicados em revistas e periódicos científicos. Esta versão não pode ser editada, portanto os erros de digitação ou grafia ou as relações entre diversos tópicos não podem mais ser editados, alterados ou corrigidos nesta versão.

Este mapa só deve ser utilizado com exemplo de construção de um Mapa do Conhecimento. Não o utilize para outros propósitos, como por exemplo, referência em trabalhos acadêmicos ou científicos. Os relacionamento graficamente expressos entre diversos tópicos do mapa refletem apenas a nossa visão em outubro de 2017, dos conhecimentos que fomos adquirindo.

Clique na imagem abaixo para acessar o Mapa Mental da Misofonia – Versão de outubro de 2017.

Mapa Mental da Misofonia – Versão 10/2017

Portal de Gestão do Conhecimento em Misofonia – PGCM

Em breve vamos liberar o acesso do Portal de Gestão do Conhecimento em Misofonia – PGCM, para todos os públicos interessados:

  • Misofônicos
  • Profissionais de Saúde
  • Pesquisadores
  • Demais interessados

Neste portal serão oferecidos gratuitamente:

  • Estudos
  • Fóruns temáticos sobre Misofonia
  • Projetos e Voluntariado
  • Espaço para Pesquisadores
  • Diversos tópicos referente a Misofonia
  • Espaço para Eventos online como Palestras, Simpósios e  eventos de pequeno porte  
Categorias iniciais do PGCM
Conteúdo do Estudo Básico

O acesso ao portal será mediante cadastro de e-mail e senha. Este acesso será garantido por Certificado SSL* para proteger os dados pessoais e a privacidade dos usuários. A data de acesso ao conteúdo será informada nas nossas redes sociais.

Estamos construindo o conteúdo deste portal. Em função disso estamos convocando voluntários para colaborar com suas habilidades em:

  • Design Gráfico
  • Jornalismo
  • Pedagogia
  • Gestão de Projetos
  • Marketing
  • Cursos EaD
  • Eventos

*SSL -do inglês Secure Sockets Layer. Assim como o TLS, é um protocolo que por meio de criptografia fornece confidencialidade e integridade nas comunicações entre um cliente e um servidor, podendo também ser usado para prover autenticação. Veja também HTTPS.

Cartilha de Segurança para Internet 


Agora é Lei – Semana Estadual de Conscientização sobre a Misofonia

Postado originalmente em 16 de mai de 2018 00:57 por Alexandre Mota

No último dia 2/05/2018 foi ao ar o Programa Agora é Lei da TV ALESP, com a apresentadora Carla Francisco.

Participaram deste programa a Dra Tanit Ganz Sanchez, otorrinolaringologista, Pedro Henrique Kaddoum , advogado, e Psicóloga Agnes Siqueira, pra falar da lei 16.638 de 2018 que institui a Semana Estadual de Conscientização sobre Misofonia – São Paulo.

No Facebook: https://www.facebook.com/avbmorg/posts/324551154742868

Vídeo da TV ALESP

Artigo científico publicado pelas maiores autoridades em Misofonia

O que é Misofonia?

Postado originalmente em 22 de mar de 2018 08:50 por Alexandre Mota

Publicado em 7/02/2018 pela revista Frontiers in Neuroscience, este artigo escrito em formato de Revisão de Literatura reúne tudo o que se conhece sobre Misofonia à luz das pesquisas recentes. Seus autores são os mais renomados pesquisadores da atualidade, sendo um marco na divulgação científica do que se conhece sobre Misofonia.

Destacamos o seguinte trecho do estudo:

A misofonia é uma síndrome neuro-comportamental caracterizada pela maior excitação emocional do sistema nervoso autônomo e reatividade emocional negativa (por exemplo, irritação, raiva, ansiedade) em resposta a uma diminuição da tolerância para sons específicos.

Investigando a Misofonia: Uma Revisão da Literatura Empírica, Implicações Clínicas e uma Agenda de Pesquisa


Link para o artigo (em inglês): https://goo.gl/D2bwTU

ou este: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fnins.2018.00036/full

Link para versão traduzida automaticamente pelo Google

São Paulo: Misofonia entra no calendário oficial do estado

Postado originalmente em 29 de jan de 2018 10:48 por Alexandre Mota

O Estado de São Paulo é pioneiro em criar uma Lei que institui a [Semana Estadual de Conscientização sobre a Misofonia], a ser realizada, anualmente, na segunda semana de maio.

O evento levará a portadores de Misofonia, profissionais de saúde, juristas e associações a oportunidade para debater questões como as dificuldades que os pacientes enfrentam desde a obtenção de um diagnóstico até o acesso ao tratamento adequado e a falta de capacitação do profissional da área da saúde. A Lei No, 16.638 foi sancionada pelo Governo de São Paulo a Lei em 5 de janeiro de 2018.

O Projeto de Lei é de autoria do Deputado Gil Lancaster. Conforme o Artigo 1 da Lei, será realizada, anualmente, na segunda semana de maioEste ano a semana acontecerá entre 6 e 12 de maio.

A Associação Virtual Brasileira de Misofonia tem a missão de divulgar sobre a Misofonia para toda a sociedade. Nesta campanha estadual haverá ampla divulgação para:

  • Prefeitos e Secretários de Saúde
  • Membros de Conselhos Municipais de Saúde
  • Hospitais públicos e privados
  • Imprensa
  • Associações Civis
  • Profissionais de Saúde
  • Instituições de Ensino e Pesquisa


Para acessar o Texto da Lei: https://www.al.sp.gov.br/norma/?tipo=Lei&numero=16638&ano=2018

Para acessar o diário Oficial: http://dobuscadireta.imprensaoficial.com.br/default.aspx?DataPublicacao=20180106&Caderno=DOE-I&NumeroPagina=1

Dissertação de Mestrado sobre Misofonia

Postado originalmente em 30 de nov de 2017 10:48 por Alexandre Mota

Mais uma contribuição da Produção Acadêmica Brasileira para indexarmos ao nosso Mapa Mental de Misofonia.

Trata-se da Dissertação de Mestrado da pesquisadora Fúlvia Eduarda da Silva, publicada pela Universidade de São Paulo – USP, em sua Biblioteca Digital de Testes e Dissertações e disponível em versão eletrônica.

A Dissertação apresenta um estudo de alterações de atenção seletiva, comparando um grupos de voluntários que apresentam Misofonia com outros dois grupos:  voluntários que apresentam Zumbido, sem Misofonia e; voluntários que não apresentam Misofonia e Zumbido.

Os Voluntários que apresentam Misofonia são participantes do grupo online Misofonia em Português, residentes em São Paulo e foram convidados para participarem.

Os voluntários realizaram entrevistas e foram submetidos a testes de identificação de frases (Sentenças Dicóticas). Enquanto os testes eram aplicados, os voluntários foram expostos a ruídos, inclusive alguns que desencadeiam a Misofonia.

O estudo sugere em sua conclusão que voluntários com misofonia “podem apresentar alteração da atenção seletiva quando expostos a sons que desencadeiam esta condição”.

Para acessar a Dissertação, acesse Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP