Publicaçoes sobre Misofonia na PUBMED

Estamos iniciando o projeto de indexar os estudos sobre Misofonia, disponíveis atualmente. Abaixo, os estudos coletados na PubMed

2022​1–5​ – 2021​6–37​ – 2020​38–50​ – 2019​51–59​ – 2018​60–70​ – 2017​71–78​ – 2016​79,80​ – 2015​81–91​ – 2014​92–98​ – 2013​99–102​ – 2011​103,104​ – 2010​105,106​ – 2006​107–109​

  1. 1.
    Schwemmle C, Arens C. [“Ear rage”: misophonia : Review and current state of knowledge]. HNO. 2022;70(1):3-13. doi:10.1007/s00106-021-01072-7
  2. 2.
    Webb J. β-Blockers for the Treatment of Misophonia and Misokinesia. Clin Neuropharmacol. 2022;45(1):13-14. doi:10.1097/WNF.0000000000000492
  3. 3.
    Misophonia Successfully Treated of With Fluoxetine: A Case Report: Erratum. Clin Neuropharmacol. 2022;45(1):15. doi:10.1097/WNF.0000000000000493
  4. 4.
    La Buissonnière-Ariza V, Guzik AG, Schneider SC, Cepeda SL, Goodman WK, Storch EA. Family Accommodation of Symptoms in Adults With Obsessive-Compulsive Disorder: Factor Structure and Usefulness of the Family Accommodation Scale for OCD-Patient  Version. J Psychiatr Pract. 2022;28(1):36-47. doi:10.1097/PRA.0000000000000597
  5. 5.
    Coey JG, De Jesus O. Hyperacusis. In: StatPearls. StatPearls Publishing; 2022.
  6. 6.
    Kumar S, Dheerendra P, Erfanian M, et al. The Motor Basis for Misophonia. J Neurosci. 2021;41(26):5762-5770. doi:10.1523/JNEUROSCI.0261-21.2021
  7. 7.
    Lugg W. “Misophonia in pregnancy – a case report”. Australas Psychiatry. 2021;29(4):472-473. doi:10.1177/1039856220986719
  8. 8.
    Enzler F, Loriot C, Fournier P, Noreña AJ. A psychoacoustic test for misophonia assessment. Sci Rep. 2021;11(1):11044. doi:10.1038/s41598-021-90355-8
  9. 9.
    Rabasco A, McKay D. Exposure Therapy for Misophonia: Concepts and Procedures. J Cogn Psychother. 2021;35(3):156-166. doi:10.1891/JCPSY-D-20-00042
  10. 10.
    Kılıç C, Öz G, Avanoğlu KB, Aksoy S. The prevalence and characteristics of misophonia in Ankara, Turkey: population-based study. BJPsych Open. 2021;7(5):e144. doi:10.1192/bjo.2021.978
  11. 11.
    Eijsker N, Schröder A, Smit DJA, van Wingen G, Denys D. Structural and functional brain abnormalities in misophonia. Eur Neuropsychopharmacol. 2021;52:62-71. doi:10.1016/j.euroneuro.2021.05.013
  12. 12.
    Hansen HA, Leber AB, Saygin ZM. What sound sources trigger misophonia? Not just chewing and breathing. J Clin Psychol. 2021;77(11):2609-2625. doi:10.1002/jclp.23196
  13. 13.
    Eijsker N, Schröder A, Liebrand LC, Smit DJA, van Wingen G, Denys D. White matter abnormalities in misophonia. Neuroimage Clin. 2021;32:102787. doi:10.1016/j.nicl.2021.102787
  14. 14.
    Sarigedik E, Yurteri N. Misophonia Successfully Treated of With Fluoxetine: A Case Report. Clin Neuropharmacol. 2021;44(5):191-192. doi:10.1097/WNF.0000000000000465
  15. 15.
    Zitelli L. Evaluation and Management of Misophonia Using a Hybrid Telecare Approach: A Case Report. Semin Hear. 2021;42(2):123-135. doi:10.1055/s-0041-1731693
  16. 16.
    Jager I, Vulink N, de Roos C, Denys D. EMDR therapy for misophonia: a pilot study of case series. Eur J Psychotraumatol. 2021;12(1):1968613. doi:10.1080/20008198.2021.1968613
  17. 17.
    Naylor J, Caimino C, Scutt P, Hoare DJ, Baguley DM. The Prevalence and Severity of Misophonia in a UK Undergraduate Medical Student Population and Validation of the Amsterdam Misophonia Scale. Psychiatr Q. 2021;92(2):609-619. doi:10.1007/s11126-020-09825-3
  18. 18.
    Roushani K, Mehrabizadeh Honarmand M. The Effectiveness of Cognitive-behavioral Therapy on Anger in Female Students with Misophonia: A Single-Case Study. Iran J Med Sci. 2021;46(1):61-67. doi:10.30476/ijms.2019.82063.
  19. 19.
    Dibb B, Golding SE, Dozier TH. The development and validation of the Misophonia response scale. J Psychosom Res. 2021;149:110587. doi:10.1016/j.jpsychores.2021.110587
  20. 20.
    Lewin AB, Dickinson S, Kudryk K, et al. Transdiagnostic cognitive behavioral therapy for misophonia in youth: Methods for a clinical trial and four pilot cases. J Affect Disord. 2021;291:400-408. doi:10.1016/j.jad.2021.04.027
  21. 21.
    Rosenthal MZ, Anand D, Cassiello-Robbins C, et al. Development and Initial Validation of the Duke Misophonia Questionnaire. Front Psychol. 2021;12:709928. doi:10.3389/fpsyg.2021.709928
  22. 22.
    Vitoratou S, Uglik-Marucha N, Hayes C, Erfanian M, Pearson O, Gregory J. Item Response Theory Investigation of Misophonia Auditory Triggers. Audiol Res. 2021;11(4):567-581. doi:10.3390/audiolres11040051
  23. 23.
    Ferrer-Torres A, Giménez-Llort L. Confinement and the Hatred of Sound in Times of COVID-19: A Molotov Cocktail for People With Misophonia. Front Psychiatry. 2021;12:627044. doi:10.3389/fpsyt.2021.627044
  24. 24.
    Ferrer-Torres A, Giménez-Llort L. Sounds of Silence in Times of COVID-19: Distress and Loss of Cardiac Coherence in People With Misophonia Caused by Real, Imagined or Evoked Triggering Sounds. Front Psychiatry. 2021;12:638949. doi:10.3389/fpsyt.2021.638949
  25. 25.
    Zuschlag ZD, Leventhal KC. Rapid and Sustained Resolution of Misophonia-Type Hyperacusis With the Selective Serotonin Reuptake Inhibitor Sertraline. Prim Care Companion CNS Disord. 2021;23(3). doi:10.4088/PCC.20l02731
  26. 26.
    Danesh AA, Howery S, Aazh H, Kaf W, Eshraghi AA. Hyperacusis in Autism Spectrum Disorders. Audiol Res. 2021;11(4):547-556. doi:10.3390/audiolres11040049
  27. 27.
    Fife TD, Tourkevich R. Tinnitus, Hyperacusis, Otalgia, and Hearing Loss. Continuum (Minneap Minn). 2021;27(2):491-525. doi:10.1212/CON.0000000000000961
  28. 28.
    Williams ZJ, He JL, Cascio CJ, Woynaroski TG. A review of decreased sound tolerance in autism: Definitions, phenomenology, and potential mechanisms. Neurosci Biobehav Rev. 2021;121:1-17. doi:10.1016/j.neubiorev.2020.11.030
  29. 29.
    Raj-Koziak D, Gos E, Kutyba J, Skarzynski H, Skarzynski PH. Decreased Sound Tolerance in Tinnitus Patients. Life (Basel). 2021;11(2). doi:10.3390/life11020087
  30. 30.
    Beukes EW, Baguley DM, Manchaiah V, et al. Investigating tinnitus subgroups based on hearing-related difficulties. Int J Clin Pract. 2021;75(10):e14684. doi:10.1111/ijcp.14684
  31. 31.
    Scheerer NE, Boucher TQ, Bahmei B, Iarocci G, Arzanpour S, Birmingham E. Family Experiences of Decreased Sound Tolerance in ASD. J Autism Dev Disord. Published online 2021. doi:10.1007/s10803-021-05282-4
  32. 32.
    Tarnowska KA, Dispoto BC, Conragan J. Explainable AI-based clinical decision support system for hearing disorders. AMIA Jt Summits Transl Sci Proc. 2021;2021:595-604.
  33. 33.
    Weinzimmer SA, Schneider SC, Cepeda SL, et al. Perceptions of Deep Brain Stimulation for Adolescents with Obsessive-Compulsive Disorder. J Child Adolesc Psychopharmacol. 2021;31(2):109-117. doi:10.1089/cap.2020.0166
  34. 34.
    Holmes E, Utoomprurkporn N, Hoskote C, Warren JD, Bamiou DE, Griffiths TD. Simultaneous auditory agnosia: Systematic description of a new type of auditory segregation deficit following a right hemisphere lesion. Cortex. 2021;135:92-107. doi:10.1016/j.cortex.2020.10.023
  35. 35.
    Morales R, Ramírez-Benavides D, Villena-Gonzalez M. Autonomous Sensory Meridian Response self-reporters showed higher scores for cognitive reappraisal as an emotion regulation strategy. PeerJ. 2021;9:e11474. doi:10.7717/peerj.11474
  36. 36.
    Knettel BA, Fernandez KM, Wanda L, et al. The Role of Community Health Workers in HIV Care Engagement: A Qualitative Study of Stakeholder Perspectives in Tanzania. J Assoc Nurses AIDS Care. Published online 2021. doi:10.1097/JNC.0000000000000267
  37. 37.
    Rodriguez M, Eisenlohr-Moul TA, Weisman J, Rosenthal MZ. The Use of Task Shifting to Improve Treatment Engagement in an Internet-Based Mindfulness Intervention Among Chinese University Students: Randomized Controlled  Trial. JMIR Form Res. 2021;5(10):e25772. doi:10.2196/25772
  38. 38.
    Siepsiak M, Sobczak AM, Bohaterewicz B, Cichocki Ł, Dragan WŁ. Prevalence of Misophonia and Correlates of Its Symptoms among Inpatients with Depression. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(15). doi:10.3390/ijerph17155464
  39. 39.
    Vanaja CS, Abigail MS. Misophonia: An Evidence-Based Case Report. Am J Audiol. 2020;29(4):685-690. doi:10.1044/2020_AJA-19-00111
  40. 40.
    Jager I, de Koning P, Bost T, Denys D, Vulink N. Misophonia: Phenomenology, comorbidity and demographics in a large sample. PLoS One. 2020;15(4):e0231390. doi:10.1371/journal.pone.0231390
  41. 41.
    Jager IJ, Vulink NCC, Bergfeld IO, van Loon AJJM, Denys DAJP. Cognitive behavioral therapy for misophonia: A randomized clinical trial. Depress Anxiety. 2020;38(7):708-718. doi:10.1002/da.23127
  42. 42.
    Frank B, Roszyk M, Hurley L, Drejaj L, McKay D. Inattention in misophonia: Difficulties achieving and maintaining alertness. J Clin Exp Neuropsychol. 2020;42(1):66-75. doi:10.1080/13803395.2019.1666801
  43. 43.
    Siepsiak M, Śliwerski A, Łukasz Dragan W. Development and Psychometric Properties of MisoQuest-A New Self-Report Questionnaire for Misophonia. Int J Environ Res Public Health. 2020;17(5). doi:10.3390/ijerph17051797
  44. 44.
    Cassiello-Robbins C, Anand D, McMahon K, et al. The Mediating Role of Emotion Regulation Within the Relationship Between Neuroticism and Misophonia: A Preliminary Investigation. Front Psychiatry. 2020;11:847. doi:10.3389/fpsyt.2020.00847
  45. 45.
    Sharan R, Sharma V. A Case of Bipolar Disorder and Misophonia. Prim Care Companion CNS Disord. 2020;22(3). doi:10.4088/PCC.19l02523
  46. 46.
    Daniels EC, Rodriguez A, Zabelina DL. Severity of misophonia symptoms is associated with worse cognitive control when exposed to misophonia trigger sounds. PLoS One. 2020;15(1):e0227118. doi:10.1371/journal.pone.0227118
  47. 47.
    McGeoch PD, Rouw R. How everyday sounds can trigger strong emotions: ASMR, misophonia and the feeling of wellbeing. Bioessays. 2020;42(12):e2000099. doi:10.1002/bies.202000099
  48. 48.
    Cassiello-Robbins C, Anand D, McMahon K, Brout J, Kelley L, Rosenthal MZ. A Preliminary Investigation of the Association Between Misophonia and Symptoms of Psychopathology and Personality Disorders. Front Psychol. 2020;11:519681. doi:10.3389/fpsyg.2020.519681
  49. 49.
    Osuagwu FC, Osuagwu VC, Machoka AM. Methylphenidate Ameliorates Worsening Distractibility Symptoms of Misophonia in an Adolescent Male. Prim Care Companion CNS Disord. 2020;22(5). doi:10.4088/PCC.19l02553
  50. 50.
    Schröder A, van Wingen G, Eijsker N, et al. Publisher Correction: Misophonia is associated with altered brain activity in the auditory cortex and salience network. Sci Rep. 2020;10(1):4066. doi:10.1038/s41598-020-59862-y
  51. 51.
    Potgieter I, MacDonald C, Partridge L, Cima R, Sheldrake J, Hoare DJ. Misophonia: A scoping review of research. J Clin Psychol. 2019;75(7):1203-1218. doi:10.1002/jclp.22771
  52. 52.
    Aazh H, Landgrebe M, Danesh AA, Moore BC. Cognitive Behavioral Therapy For Alleviating The Distress Caused By Tinnitus, Hyperacusis And Misophonia: Current Perspectives. Psychol Res Behav Manag. 2019;12:991-1002. doi:10.2147/PRBM.S179138
  53. 53.
    Siepsiak M, Dragan W. Misophonia – a review of research results and theoretical concepts. Psychiatr Pol. 2019;53(2):447-458. doi:10.12740/PP/92023
  54. 54.
    Silva FE da, Sanchez TG. Evaluation of selective attention in patients with misophonia. Braz J Otorhinolaryngol. 2019;85(3):303-309. doi:10.1016/j.bjorl.2018.02.005
  55. 55.
    Erfanian M, Kartsonaki C, Keshavarz A. Misophonia and comorbid psychiatric symptoms: a preliminary study of clinical findings. Nord J Psychiatry. 2019;73(4-5):219-228. doi:10.1080/08039488.2019.1609086
  56. 56.
    Schröder A, van Wingen G, Eijsker N, et al. Misophonia is associated with altered brain activity in the auditory cortex and salience network. Sci Rep. 2019;9(1):7542. doi:10.1038/s41598-019-44084-8
  57. 57.
    Eijsker N, Schröder A, Smit DJA, van Wingen G, Denys D. Neural Basis of Response Bias on the Stop Signal Task in Misophonia. Front Psychiatry. 2019;10:765. doi:10.3389/fpsyt.2019.00765
  58. 58.
    Martino D, Hedderly T. Tics and stereotypies: A comparative clinical review. Parkinsonism Relat Disord. 2019;59:117-124. doi:10.1016/j.parkreldis.2019.02.005
  59. 59.
    Samermit P, Saal J, Davidenko N. Cross-Sensory Stimuli Modulate Reactions to Aversive Sounds. Multisens Res. 2019;32(3):197-213. doi:10.1163/22134808-20191344
  60. 60.
    Palumbo DB, Alsalman O, De Ridder D, Song JJ, Vanneste S. Misophonia and Potential Underlying Mechanisms: A Perspective. Front Psychol. 2018;9:953. doi:10.3389/fpsyg.2018.00953
  61. 61.
    Brout JJ, Edelstein M, Erfanian M, et al. Investigating Misophonia: A Review of the Empirical Literature, Clinical Implications, and a Research Agenda. Front Neurosci. 2018;12:36. doi:10.3389/fnins.2018.00036
  62. 62.
    Janik McErlean AB, Banissy MJ. Increased misophonia in self-reported Autonomous Sensory Meridian Response. PeerJ. 2018;6:e5351. doi:10.7717/peerj.5351
  63. 63.
    Quek TC, Ho CS, Choo CC, Nguyen LH, Tran BX, Ho RC. Misophonia in Singaporean Psychiatric Patients: A Cross-Sectional Study. Int J Environ Res Public Health. 2018;15(7). doi:10.3390/ijerph15071410
  64. 64.
    Robinson S, Hedderly T, Conte G, Malik O, Cardona F. Misophonia in Children with Tic Disorders: A Case Series. J Dev Behav Pediatr. 2018;39(6):516-522. doi:10.1097/DBP.0000000000000563
  65. 65.
    Rouw R, Erfanian M. A Large-Scale Study of Misophonia. J Clin Psychol. 2018;74(3):453-479. doi:10.1002/jclp.22500
  66. 66.
    McKay D, Kim SK, Mancusi L, Storch EA, Spankovich C. Profile Analysis of Psychological Symptoms Associated With Misophonia: A Community Sample. Behav Ther. 2018;49(2):286-294. doi:10.1016/j.beth.2017.07.002
  67. 67.
    Aazh H, Knipper M, Danesh AA, et al. Insights from the third international conference on hyperacusis: causes, evaluation, diagnosis, and treatment. Noise Health. 2018;20(95):162-170. doi:10.4103/nah.NAH_2_18
  68. 68.
    Sanchez TG, Silva FE da. Familial misophonia or selective sound sensitivity syndrome : evidence for autosomal dominant inheritance? Braz J Otorhinolaryngol. 2018;84(5):553-559. doi:10.1016/j.bjorl.2017.06.014
  69. 69.
    Tavassoli T, Miller LJ, Schoen SA, Jo Brout J, Sullivan J, Baron-Cohen S. Sensory reactivity, empathizing and systemizing in autism spectrum conditions and sensory processing disorder. Dev Cogn Neurosci. 2018;29:72-77. doi:10.1016/j.dcn.2017.05.005
  70. 70.
    Aazh H, McFerran D, Moore BCJ. Uncomfortable loudness levels among children and adolescents seeking help for tinnitus and/or hyperacusis. Int J Audiol. 2018;57(8):618-623. doi:10.1080/14992027.2018.1453617
  71. 71.
    Taylor S. Misophonia: A new mental disorder? Med Hypotheses. 2017;103:109-117. doi:10.1016/j.mehy.2017.05.003
  72. 72.
    Kumar S, Tansley-Hancock O, Sedley W, et al. The Brain Basis for Misophonia. Curr Biol. 2017;27(4):527-533. doi:10.1016/j.cub.2016.12.048
  73. 73.
    Schröder AE, Vulink NC, van Loon AJ, Denys DA. Cognitive behavioral therapy is effective in misophonia: An open trial. J Affect Disord. 2017;217:289-294. doi:10.1016/j.jad.2017.04.017
  74. 74.
    Dozier TH, Lopez M, Pearson C. Proposed Diagnostic Criteria for Misophonia: A Multisensory Conditioned Aversive Reflex Disorder. Front Psychol. 2017;8:1975. doi:10.3389/fpsyg.2017.01975
  75. 75.
    Kamody RC, Del Conte GS. Using Dialectical Behavior Therapy to Treat Misophonia in Adolescence. Prim Care Companion CNS Disord. 2017;19(5). doi:10.4088/PCC.17l02105
  76. 76.
    Barratt EL, Spence C, Davis NJ. Sensory determinants of the autonomous sensory meridian response (ASMR): understanding the triggers. PeerJ. 2017;5:e3846. doi:10.7717/peerj.3846
  77. 77.
    Kumar S, Griffiths TD. Response: Commentary: The Brain Basis for Misophonia. Front Behav Neurosci. 2017;11:127. doi:10.3389/fnbeh.2017.00127
  78. 78.
    Schröder A, van Wingen G, Vulink NC, Denys D. Commentary: The Brain Basis for Misophonia. Front Behav Neurosci. 2017;11:111. doi:10.3389/fnbeh.2017.00111
  79. 79.
    Bruxner G. “Mastication rage”: a review of misophonia – an under-recognised symptom of psychiatric relevance? Australas Psychiatry. 2016;24(2):195-197. doi:10.1177/1039856215613010
  80. 80.
    Baguley DM, Cope TE, McFerran DJ. Functional auditory disorders. Handb Clin Neurol. 2016;139:367-378. doi:10.1016/B978-0-12-801772-2.00032-1
  81. 81.
    Cavanna AE, Seri S. Misophonia: current perspectives. Neuropsychiatr Dis Treat. 2015;11:2117-2123. doi:10.2147/NDT.S81438
  82. 82.
    Jastreboff PJ, Jastreboff MM. Decreased sound tolerance: hyperacusis, misophonia, diplacousis, and polyacousis. Handb Clin Neurol. 2015;129:375-387. doi:10.1016/B978-0-444-62630-1.00021-4
  83. 83.
    Blegvad-Nissen C, Thomsen PH. [Misophonia is a neglected disorder]. Ugeskr Laeger. 2015;177(48):V04150309.
  84. 84.
    Webber TA, Storch EA. Toward a theoretical model of misophonia. Gen Hosp Psychiatry. 2015;37(4):369-370. doi:10.1016/j.genhosppsych.2015.03.019
  85. 85.
    Barratt EL, Davis NJ. Autonomous Sensory Meridian Response (ASMR): a flow-like mental state. PeerJ. 2015;3:e851. doi:10.7717/peerj.851
  86. 86.
    Schneider RL, Arch JJ. Letter to the editor: potential treatment targets for misophonia. Gen Hosp Psychiatry. 2015;37(4):370-371. doi:10.1016/j.genhosppsych.2015.03.020
  87. 87.
    Gédance D. [Misophonia and contemporary psychiatry]. Rev Med Suisse. 2015;11(482):1504-1505.
  88. 88.
    Stiefel F, Michael S. [Misophonia and contemporary psychiatry]. Rev Med Suisse. 2015;11(474):1088.
  89. 89.
    McGuire JF, Wu MS, Storch EA. Cognitive-behavioral therapy for 2 youths with misophonia. J Clin Psychiatry. 2015;76(5):573-574. doi:10.4088/JCP.14cr09343
  90. 90.
    Jastreboff PJ. 25 years of tinnitus retraining therapy. HNO. 2015;63(4):307-311. doi:10.1007/s00106-014-2979-1
  91. 91.
    Jacot CR, Eric T, Sentissi O. [Misophonia or aversion to human sound: a clinical illustration]. Rev Med Suisse. 2015;11(462):466-469.
  92. 92.
    Wu MS, Lewin AB, Murphy TK, Storch EA. Misophonia: incidence, phenomenology, and clinical correlates in an undergraduate student sample. J Clin Psychol. 2014;70(10):994-1007. doi:10.1002/jclp.22098
  93. 93.
    Cavanna AE. What is misophonia and how can we treat it? Expert Rev Neurother. 2014;14(4):357-359. doi:10.1586/14737175.2014.892418
  94. 94.
    Webber TA, Johnson PL, Storch EA. Pediatric misophonia with comorbid obsessive-compulsive spectrum disorders. Gen Hosp Psychiatry. 2014;36(2):231.e1-2. doi:10.1016/j.genhosppsych.2013.10.018
  95. 95.
    Schröder A, van Diepen R, Mazaheri A, et al. Diminished n1 auditory evoked potentials to oddball stimuli in misophonia patients. Front Behav Neurosci. 2014;8:123. doi:10.3389/fnbeh.2014.00123
  96. 96.
    Kluckow H, Telfer J, Abraham S. Should we screen for misophonia in patients with eating disorders? A report of three cases. Int J Eat Disord. 2014;47(5):558-561. doi:10.1002/eat.22245
  97. 97.
    Aazh H, McFerran D, Salvi R, Prasher D, Jastreboff M, Jastreboff P. Insights from the First International Conference on Hyperacusis: causes, evaluation, diagnosis and treatment. Noise Health. 2014;16(69):123-126. doi:10.4103/1463-1741.132100
  98. 98.
    Prado-Barreto VM, Salvatori R, Santos Júnior RC, et al. Hearing status in adult individuals with lifetime, untreated isolated growth hormone deficiency. Otolaryngol Head Neck Surg. 2014;150(3):464-471. doi:10.1177/0194599813517987
  99. 99.
    Schröder A, Vulink N, Denys D. Misophonia: diagnostic criteria for a new psychiatric disorder. PLoS One. 2013;8(1):e54706. doi:10.1371/journal.pone.0054706
  100. 100.
    Edelstein M, Brang D, Rouw R, Ramachandran VS. Misophonia: physiological investigations and case descriptions. Front Hum Neurosci. 2013;7:296. doi:10.3389/fnhum.2013.00296
  101. 101.
    Ferreira GM, Harrison BJ, Fontenelle LF. Hatred of sounds: misophonic disorder or just an underreported psychiatric symptom? Ann Clin Psychiatry. 2013;25(4):271-274.
  102. 102.
    Neal M, Cavanna AE. Selective sound sensitivity syndrome (misophonia) in a patient with Tourette syndrome. J Neuropsychiatry Clin Neurosci. 2013;25(1):E01. doi:10.1176/appi.neuropsych.11100235
  103. 103.
    Fear of the yawning mother: a case study of misophonia. Australas Psychiatry. 2011;19(1):88. doi:10.3109/10398562.2011.551934
  104. 104.
    Schwartz P, Leyendecker J, Conlon M. Hyperacusis and misophonia: the lesser-known siblings of tinnitus. Minn Med. 2011;94(11):42-43.
  105. 105.
    Collins N. Fear of the yawning mother: a case of misophonia. Australas Psychiatry. 2010;18(1):71-72. doi:10.3109/10398560903180133
  106. 106.
    Sztuka A, Pospiech L, Gawron W, Dudek K. DPOAE in estimation of the function of the cochlea in tinnitus patients with normal hearing. Auris Nasus Larynx. 2010;37(1):55-60. doi:10.1016/j.anl.2009.05.001
  107. 107.
    Jastreboff PJ, Jastreboff MM. Tinnitus retraining therapy: a different view on tinnitus. ORL J Otorhinolaryngol Relat Spec. 2006;68(1):23-29; discussion 29-30. doi:10.1159/000090487
  108. 108.
    Sztuka A, Pośpiech L, Gawron W, Dudek K. [DPOAE in tinnitus patients with cochlear hearing loss considering hyperacusis and misophonia]. Otolaryngol Pol. 2006;60(5):765-772.
  109. 109.
    Veale D. A compelling desire for deafness. J Deaf Stud Deaf Educ. 2006;11(3):369-372. doi:10.1093/deafed/enj043
Trecho do Mapa Mental de Publicações (estará disponível em em breve)

Biblioteca de Misofonia – Misophonia Library

Knowledge Base on Misophonia – KBM

O projeto Base de Conhecimento em Misofonia – BCM (Knowledge Base on Misophonia – KBM) é uma iniciativa para organização de repositórios colaborativo de documentos, mapas mentais e fóruns, para pesquisas e divulgação científica sobre Misofonia.

A Biblioteca de Misofonia – BM é o primeira etapa do projeto. Este repositório é mantido por meio do compartilhamento coletivo da produção intelectual e assuntos relacionados, possibilitando inclusão de notas, comentários e referências cruzadas sobre Misofonia e outros temas.

O conteúdo sobre misofonia está bastante fragmentado na internet. A BM possibilita a localização de todas as publicações científico/acadêmica, sites sobre misofonia, vídeos, teses, dissertações, notícias, vídeos, podcasts, blogs, redes sociais em um só local, facilitando pesquisas de todos os tipos e finalidades. A busca por publicações pode ser realizada em diferentes níveis e todas as publicações que podem ser exportadas como citações ou referências no formato ABNT e outros formatos úteis para divulgação científica.

Exemplo de uma pesquisa por autor

A quem se destina?

A base tem o objetivo de reunir e divulgar a produção intelectual sobre Misofonia pra pesquisadores, estudantes, profissionais de saúde e demais cidadãos engajados da divulgação da Misofonia, incluindo pacientes de Misofonia e parentes destes.

O acesso é público para consulta dos metadados disponíveis de todas as publicações, como como lista de autores, publicadores, link original e resumos.

Exemplo de conteúdo aberto para consultas (metadados)

Para pesquisadores e outras pessoas engajadas no movimento de divulgação da Misofonia, o acesso é total, incluindo a possibilidade de realização de download de textos completos das publicações científicas que disponibilizaram este acesso. Além disso, há a possibilidade de compartilhamento de comentários, notas sobre as publicações e cadastrar referência a outras publicações deste e outros temas vinculados, tais como neurociência, psicologia, medicina, etc. Estes participantes terão que se cadastrar para acesso total.

Exemplo de consulta avançada para pesquisadores, profissionais e membros colaboradores

Atualização do conteúdo e Curadoria

Abaixo, a estrutura de atualização das informações da Biblioteca de Misofonia. O conteúdo é atualizado automaticamente a partir de sites de publicação científica como PubMed, Scielo, BVsaúde (e outros), do uso de motores de busca e da colaboração dos participantes.

O conteúdo está sendo organizado por colaboradores voluntários.

Estrutura de alimentação de dados da Base de Conhecimento em Misofonia

Fóruns

Além do repositório, os participantes cadastrados tem a oportunidade de estabelecer contato e troca de conhecimentos com os outros participantes de maneira informal, através de uma rede social no formato de fóruns, possibilitando a troca de experiências e incentivando a formação de Comunidades Virtuais de Prática (VCoP) , principalmente entre pesquisadores e profissionais de saúde.

Ferramenta de Fóruns para participantes

Este projeto foi implementado na plataforma Zotero, permitindo acesso online ou via aplicativo para desktops/notebooks ou dispositivos móveis.

Para acessar

Acesse aqui Biblioteca de Misofonia

Se você estiver interessado em contribuir com o conteúdo ou ter acesso total, envie um email para kbase@misofonia.org

A HISTÓRIA DA OSTRA E DA BORBOLETA: O CORONAVÍRUS E EU

Este livro foi escrito por Ana M. Gomez, Psicoterapeuta, Autora e Pesquisadora e traduzido por Jackeline Figueiredo Barbosa Gomes, Mestre em Psicologia, ambas também são Terapeutas de EMDR Infantil. Este livro faz parte de um dos materiais que foram desenvolvidos por meio da força tarefa mundial para cuidar de crianças no enfrentamento ao Coronavírus. A pedido da autora, o mesmo não pode ser vendido, nem impresso por nenhuma editora.

Para baixar o arquivo no formato PDF, clique aqui

O EMDR foi a terapia que tirou o autor desta postagem dos sintomas da Misofonia. Saiba mais

Estudantes divulgam sobre Misofonia

Exposição sobre a Misofonia

Nos dias de 27 a 29 de novembro, alunos apresentaram um trabalho de divulgação sobre Misofonia em evento cultural. São 18 alunos do 7º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio São Raimundo Nonato, em Santarém, estado do Pará. Eles participaram do XXVI Passo Cultural apresentando o trabalho MISOFONIA: SÍNDROME DA AUDIÇÃO SUPERSENSÍVEL – CONHECER E RESPEITAR

Tudo começou meses há 6 meses atrás, quando Mirian Rodrigues que apresenta os sintomas de Misofonia e Hiperacusia, desejou participar da Divulgação da Misofonia. Então ela entrou em contato com a nossa Associação e com a Dra. Tanit Ganz Sanchez, idealizadora do Novembro Laranja – Campanha Nacional de Divulgação sobre Zumbido, Misofonia e Hiperacusia, onde pudemos trocar ideias de como ela poderia ajudar em nossas campanhas na cidade de Santarém.

Mirian procurou a secretaria Municipal de Saúde e de Educação, mas foi na recepção da clínica, onde ela realiza psicoterapia, que é parte do tratamento para os sintomas de Misofonia e Hiperacusia, que conheceu a professora Gracinês Costa. A professora leciona na escola São Raimundo Nonato, a mesma onde Mirian estudou na infância e início da adolescência. Mirian relata que:

Eu gosto de falar das sensibilidades a professores pois estes podem ser o primeiro olhar para identificar crianças portadoras destes problemas

Por coincidência, Gracinês também foi professora da psicoterapeuta que atendia Mirian. Então foi através das duas que a professora ficou sabendo sobre Misofonia e Hiperacusia.

A professora achou o tema interessante, levou-o para seus alunos que então decidiram desenvolver um trabalho sobre misofonia e apresentá-lo no Passo Cultural, evento realizado anualmente na escola. Os alunos realizaram uma entrevista com Mirian com diversas perguntas sobre como ela lidava com o problema. Eis algumas que destacamos:

  • Como foi o diagnóstico?
  • Sofreu algum tipo de bullying?
  • Que tratamento você faz?
  • Qual sua reação quando é vista como anti-social?
  • Como você realiza suas atividades em ambientes com várias pessoas?
Mirian (ao centro), Gracinês (mais a esquerda) e os alunos do 7º ano no dia da entrevista

Mirian relata que ficou emocionada com o respeito e consideração demonstrados e no grande esforço de não produzirem ruídos de baixo volume (mastigação, assobio) que pudessem desencadear nela, as reações emocionais negativas, um dos sintomas da Misofonia assim como não produziram ruídos intensos (gritos, correrias no piso) que pudessem causar desconforto auditivo e são um dos sintomas da Hiperacusia. Os alunos posteriormente também entrevistaram a psicoterapeuta para entender o papel desta no tratamento da Misofonia.

Por outra feliz coincidência a data do evento Passo Cultural coincidiu com os últimos de campanha do Novembro Laranja.

Para este evento , foi montado uma apresentação sobre Misofonia dentro dentro de um Toldo Exposição. Um painel explicativo também foi elaborado. O resultado pode ser visto nas fotos abaixo:

Graças aos esforços de pessoas como Mirian, da professora Gracinês e seus alunos, várias pessoas entre alunos, pais e professores puderam conhecer e divulgar sobre Misofonia. Temos esperança que mais escolas e instituições abracem causa e a divulguem Misofonia ainda mais

Todos os que sofrem por causa da Misofonia agradecem!

Como a TCC – Terapia Cognitivo Comportamental alavancou meu processo de cura

Terapia Cognitiva é um sistema de psicoterapia, proposto e desenvolvido pelo Dr. Aaron Beck e seus colaboradores, que integra um modelo cognitivo de psicopatologia e um conjunto de técnicas e estratégias terapêuticas baseadas diretamente nesse modelo. Características que a distinguem de outras formas de psicoterapia são o tempo curto e limitado e a eficácia comprovada através de estudos empíricos, em várias áreas de transtornos emocionais, como depressão, transtornos de ansiedade (transtorno de ansiedade generalizada, fobias, pânico, hipocondria, transtorno obsessivo-compulsivo), dependência química, transtornos alimentares, dificuldades interpessoais (terapia de casal e de família), transtornos psiquiátricos, etc., para adultos, crianças e adolescentes.

(uma versão reduzida deste texto foi publicado no grupo de apoio do Facebook – Misofonia – Síndrome em 25/11/2019)

Dois princípios da TCC foram fundamentais para que eu mudasse minhas atitudes e estratégias e com isso, fosse reduzindo progressivamente, em mim, os efeitos da Misofonia.

Como fui ajudado:

1 – PENSAMENTOS AUTOMÁTICOS

Estamos constantemente avaliando e julgando e assimilando tudo que nos acontece como, por exemplo, eventos estressantes, percepções, sensações corporais e a memória destes, para determinar o que é importante ou não para nós. Esse processo chamamos de –aprendizado cognitivo– que nos causa emoções e vamos reagindo e nos comportando de acordo com o que assimilamos. Mas nós também passamos a reagir a novos eventos ou na repetição destes e já com o aprendizado anterior, realimentando de uma forma que nem percebemos e que passam a reforçar o efeito das emoções e comportamentos. Ocorre que temos um grande número de pensamentos que fazem parte desse fluxo de processamento e que surgem de forma tão rápida que nem os percebemos e eles atuam neste processo de aprendizado cognitivo, à medida que vamos avaliando o significado dos acontecimentos.

Em pessoas com algum tipo de transtorno psiquiátrico com depressão ou ansiedade, frequentemente vivenciam inundações de pensamentos automáticos que são desadaptativos ou distorcidos e podem gerar reações emocionais dolorosas e comportamento disfuncional.

2 – ERROS COGNITIVOS OU DISTORÇÕES COGNITIVAS

Existem equívocos na lógica dos pensamentos automáticos e outras cognições e esses equívocos podem (e vão) acontecer em todas as pessoas, mas nas com transtornos emocionais, são mais característicos. Estes precisam ser identificados pois atuam de forma patológica no processamento de informações, de forma desadaptativa ou distorcida.

Vou citar algumas distorções que podemos vivenciar e que estavam presentes no meu dia a dia, na forma que eu lidava com a Misofonia:

Abstração Seletiva

Chega-se a uma conclusão depois de examinar apenas uma pequena porção das informações disponíveis. Os dados importantes são descartados ou ignorados, a fim de confirmar a visão tendenciosa que a pessoa tem da situação.

No meu caso, não importava o motivo das pessoas, sempre achava que elas queriam me prejudicar ou me desprezavam ou que não me respeitavam, então eu as odiava quando produziam sons que me afetavam.

Maximização e minimização

A relevância de um atributo, evento ou sensação é exagerada ou minimizada.

No meu caso, sofria antecipadamente os efeitos da Misofonia antes mesmo de alguém produzir os sons, só ao vê-la segurando algum alimento ou realizando visualmente o ato de mastigar eu já ficava alterado.

Supergeneralização

Chega-se a uma conclusão sobre um acontecimento isolado e, então, a conclusão é estendida de maneira ilógica a amplas áreas do funcionamento.

No meu caso, eu assumi que todas as pessoas que realizavam trabalhos braçais assobiavam, portanto eu tinha que evitar ou combater a presença delas próximo de mim e não ser amigável com essas pessoas, mesmo que elas nem assobiassem.

EIS COMO A TCC ME AJUDOU

Quando iniciei o estudo da TCC encontrei o modelo básico da Terapia cognitivo-comportamental (figura 1) que pode ser comparado com um tipo de Diagrama Sistêmico (SENGE, 2003) que propus para representar um Modelo Dinâmico da Misofonia, baseado na minha própria experiência, utilizando um causal loop diagram (figura 2). O diagrama sugere que depois de iniciada a Misofonia, eu entrava num ciclo onde cada vez mais meus sintomas pioravam por causa da forma como eu enfrentava os sintomas, direcionando todos os sentimentos negativos contra quem os produzia.

É um diagrama experimental que captura a percepção que tenho sobre a evolução da Misofonia na minha história de vida. Eu cheguei a publicar este diagrama no grupo de apoio Misofonia – Síndrome com o título Ciclo da Misofonia que piora com o tempo.

Modelo cognitivo-comportamental básico
Figura 1 -Modelo cognitivo-comportamental básico
Figura 2 -  causal loop diagram  proposto 
para um Modelo Dinâmico da Misofonia em mim
Figura 2 – causal loop diagram proposto
para um Modelo Dinâmico da Misofonia,
conforme fui percebendo em mim

Então com o conhecimento de TCC e o autoconhecimento que fui amadurecendo sobre os efeitos da Misofonia em mim, fui me aprofundando em como utilizar métodos de TCC para me ajudar.

“Ao implementar métodos de TCC para reduzir erros cognitivos, os terapeutas normalmente ensinam os pacientes que o objetivo mais importante é simplesmente reconhecer que se está cometendo erros cognitivos”

(…)

“Algumas das intervenções mais importantes que você aprenderá são ativação comportamental, exposição hierárquica (dessensibilização sistemática), prescrição gradual de tarefas, programação de atividades e eventos prazerosos, treinamento de respiração e treinamento de relaxamento. Essas técnicas podem servir como ferramentas poderosas para ajudar a reduzir sintomas e promover mudanças positivas.”

Jesse H. Wright, Monica R. Basco & Michael E. Thase, 2008


Então passei a identificar esses pensamentos automáticos. No início foi estranho e até engraçado pois eu parava para “pensar o que estava pensando” em diversas situações para identificar não só as 3 distorções citadas acima, mas várias outras. Fazer isso logo após ser afetado por um som gatilho não é fácil, mas é possível. Para tornar possível de alcançar e potencializar uma eficácia, realizei bastante este exercício, lembrando das situações estressantes com sons gatilho primeiro, para que eu amadurecesse a habilidade de realizar durante uma “crise”.

A parte não engraçada foi a exposição gradual, onde eu, por exemplo, programava algo prazeroso para contrapor as experiências ruins de ter de lidar com situações envolvendo sons gatilhos. Para isso, utilizei do amor incondicional por minha filha Lívia para realizar, com ela, um dos tipos de eventos prazerosos. Até postei uma situação em Setembro de 2017 no grupo Misofonia – Síndrome, onde comecei a ter progresso em lidar com os incômodos (figura 3). Cada vez que eu fazia isso notava que os efeitos negativos dos gatilhos reduziam, mas no início, envolveu muito esforço emocional da minha parte. Tocar piano é prazeroso, mas essa experiência vou deixar para o relato envolvendo Neuro modulação (Neurofeedback para os ansiosos em querer saber logo)

Figura 3 – Relato de melhora da Misofonia

Bom. Foram técnicas que me ajudaram a reduzir a ansiedade antecipatória num primeiro momento,e a raciocinar no lugar de reagir emocionalmente em várias situações com gatilhos e a lidar com pessoas. Nas técnicas da TCC também entram técnicas de respiração que me foram fundamentais. Durante meses eu realizei esses exercícios sem apoio de Terapeuta, mas depois eu quebrei um antigo preconceito e fui a uma Psicóloga Comportamental que me ajudou a aprimorar essas técnicas para o meu caso, pois esse tratamento é individualizado e conforme a letra de certa música:

A cada um cabe alegrias e a tristeza que vier.

Titãs, 2019

Só atente que o acaso não vai nos proteger, mas é muito bom ficar distraído e não naquela ansiedade antecipatória! Experimente descobri seus pensamentos automáticos e as distorções cognitivas que você carrega e de preferência, desligue-os de você e:

Veja o que acontece com os efeitos da Misofonia em você, depois disso!

CONCLUSÃO

É um processo de ressignificação estruturado!

MAS QUAL FOI A LEITURA SOBRE TCC QUE ME AJUDOU, ANTES DE PROCURAR UM TERAPEUTA?

Os conceitos que apresentei foram justamente a leitura do Capítulo 1 – Princípios básicos da terapia cognitivo comportamental do livro Aprendendo a Terapia Cognitivo-Comportamental: Um Guia Ilustrado (figura 4).

É possível pesquisar na internet e encontrar este capítulo disponível.

E PRA FINALIZAR

Espero ter esclarecido essa parte do meu processo de cura, pois cito a TCC em várias publicações anteriores, tanto no grupo Misofonia – Síndrome quanto aqui no site, pelo Relatos de um(quase) ex-Misofônico e ainda no relato em vídeo, mas eu não havia detalhado como fazê-lo. Eu não abordei, no texto, outros aspectos da TCC para não tornar esta publicação muito extensa. O fundamental é que você procure um(a) Psicólogo(a) especialista em TCC, de preferência em conjunto com um(a) Otorrinolaringologista e Psiquiatra para uma melhor avaliação do teu caso e cada profissional atuando dentro de sua especialidade.

Se eu consegui, tenho certeza que você também pode conseguir!

Referências

WRIGHT, Jesse H; BASCO, Monica R; THASE, Michael E. Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental: um guia ilustrado. Porto Alegre: Artmed, 2008. 224 p.

SENGE, P. A Quinta Disciplina. 15. ed. São Paulo: Best Seller, 2003.

TITÃS. Epitáfio. Disponível em <https://www.letras.mus.br/titas/48968/> . Acesso em 24 de nov. 2019

Relatos de um (quase) ex-misofônico – 1

Duas fotos, dois momentos*

O primeiro momento, à esquerda, estava na apresentação de Natal da turma de Alfabetização, na escola onde iniciei meus estudos. Neste dia estava com febre e com a garganta inflamada. Eram dias que vivenciei uma infância alegre, tranquila e bastante ruidosa, como deveria de ser. 
No segundo momento à direita, já havia se passado pouco mais de quatro meses desde a primeira foto. Estava no pátio externo de minha casa, registrando numa brincadeira, como eu reagia quando assobios me incomodavam. Essa foto foi um registro, cerca de vinte dias, após manifestar sintomas de incômodos auditivos a sons específicos.

Dois momentos: antes e depois da Misofonia

(*) Este texto foi originalmente publicado no Grupo de apoio [Misofonia – Síndrome] (10/04/2019), depois adaptado para o site antigo (18/04/2019) e agora foi readaptado para atualizar alguns detalhes que não constavam nas publicações anteriores.

O início

Em março de 1977, cerca de um mês após completar os sete anos, passei por um procedimento cirúrgico para extração das Amígdalas. Desde muito cedo elas inflamavam com frequência e eu era acometido por episódios de febre de trinta e nove graus (39 ºC), insistentes e que ocasionalmente me causavam um delírio desagradável, como se sentisse o atrito causado pela textura de alguns objetos passando por dentro de minha cabeça.
A cirurgia foi prescrita pelo pediatra que me atendia e realizada no Hospital da Beneficência Portuguesa. Antes da cirurgia, na enfermaria, pude conversar com outra criança que também ia passar pela mesma cirurgia e haviam outras que estavam internadas por diversos motivos. Todos os pais e enfermeiros repetiam que no dia seguinte eu já estaria bem e poderia tomar sorvete. Então entrei na sala de cirurgia e 3 segundos após a anestesia geral, apaguei.
Acordei saindo da sala de cirurgia, com sangue na boca e nariz e passei à noite na enfermaria. No dia seguinte fui pra casa, não conseguia comer nada e todos os sons estavam doendo nos ouvidos…fiquei um mês assim, até que os sons pararam de doer e a inflamação cedeu. Contudo comecei a perceber que em duas situações eu sentia um incômodo: o assobio do meu irmão e um som que eu nunca tinha percebido antes, o de limpar os dentes por sucção ou simplesmente – chupar os dentes.
Outras pessoas que conheci e que também passaram por esta cirurgia, não relatavam um período de recuperação tão complicada. Naquela época, ficavam em casa por um período breve e pronto. Contudo, não conheci ninguém que tomou sorvetes um dia após extrair as amígdalas. Eis aqui uma breve análise sobre como tenho lidado com Misofonia – gatilho a gatilho, considerando as hipóteses que venho estudando e são citadas nos mais diversos estudos acadêmicos sobre Misofonia e é claro, a minha percepção sobre cada gatilho considerando sua evolução em mim desde o início.
Para os estão conhecendo Misofonia agora, Gatilho – é um som específico que inicia, de forma exagerada, as respostas aversivas como angústia, raiva, ódio e outras emoções negativas. Eu nunca cito que é um “barulho”, pois na minha percepção isso confunde com Hiperacusia, que depende mais da intensidade ou da tonalidade do som.

Para saber mais sobre o que é Misofonia


 ⚠️ AVISO – A PARTIR DE AGORA VOU FALAR COM DETALHES SOBRE GATILHOS ⚠️
Algumas pessoas relatam que ao ler sobre determinado gatilho, começam a se sentir incomodados por ele. Então caso você não goste de ler sobre gatilhos pule este texto até o tópico: Minhas considerações.

Os gatilhos

Assobio ou assovio.

Foi o primeiro gatilho que pude perceber. Causa em mim, a aversão descrita nos relatos sobre misofonia, mas também um incômodo físico no ouvido direito. Estou com suspeita de Deiscência no canal superior Direito, ou seja, o canal superior da cóclea entrou no osso do crânio. Como os ossos do crânio também captam ondas sonoras, o assobio pode transmitir vibrações ao dito canal. Fora isso, quando comecei a sentir aversão a assovios, ainda tive meu irmão mais velho assobiando, o que me traumatizou ainda mais, acentuando o sofrimento e me condicionando negativamente, pois emitia um assobio agudo e intenso que ele fazia, achando que eu estava apenas me aproveitando para ter mais “mimos” das pessoas próximas. Isso tudo me torturava muito, mas ele não tinha consciência do que se passava dentro de mim.

Essa experiência negativa com meu irmão é consistente com uma hipótese que fui encontrando em pesquisas, como uma das causas da misofonia: um processo de condicionamento ou um reflexo condicionado a uma situação traumática.

Poderia explicar que em muitos relatos é citado o início dos incômodos durante as refeições, com a família à mesa, principalmente na infância. No meu caso, foi muito traumático, pois a inflamação que se seguiu após a cirurgia causou dores na garganta, ouvido e me fez passar dias na cama, pois qualquer som em qualquer intensidade me incomodava. Depois de um mês o que incomodava eram sons específicos que foram potencializados pelo meu irmão. Aí temos, também, espaço para suspeitar de Estresse Pós-Traumático. Mas eu estava no mundo de 1977… quem poderia diagnosticar isso?

Hoje, Perturbação de estresse pós-traumático (PSPT) (português europeu) ou transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) (português brasileiro) tem diagnóstico e tratamento e há vários estudos que o relacionam com Misofonia.

A suspeita levantada junto a otorrino que me atende desde 2017 é que a inflamação pós cirúrgica tenha alterado momentaneamente funcionalmente algumas estruturas do ouvido médio e interno e com isso a proteção contra ruídos altos. Pode explicar a Hiperacusia que me afetou cerca de um mês até a inflamação ceder. Pode ainda ter iniciado um comprometimento no canal auditivo superior. 

Sons de mastigação e sugar os dentes

A hipótese que esteja, em mim, relacionada a TOC – Transtorno Obsessivo Compulsivo. O tratamento de TOC com TCC – Terapia Cognitiva Comportamental está diminuindo a percepção e a reação a este gatilho. Observando meu histórico, quando aos sete anos comecei a perceber que sons de chupar dentes me afetava, busquei um livro e comecei a rasga-lo a parte superior de cada folha. O rasgo era proporcional ao incômodo, tipo: chupadas rápidas eu rasgava menos de um centímetro; as “rasgadas mais profundas” eram proporcionais ao som mais prolongado. Curiosamente, em função da numeração das páginas do livro e no ritmo que as pessoas ao meu redor produziam esse gatilho, comecei a contar quantas vezes eu percebia o som gatilho.

Foi o início de contar as “coisas” em outras situações, como os postes que eu via na estrada durante uma viagem ou os passos que eu realizava até um destino. E quando começava, não conseguia parar, ficava numa ansiedade e precisava continuar a contar. Então toda vez que alguém “chupava os dentes”, eu já estava contando e esperando o próximo. Depois comecei a me incomodar com chupar quase tudo, de ossos, sopa a espinhas de peixe e, por último a mastigação de boca aberta.

Vale dizer aqui que antes disso nem percebia que as pessoas chupavam dentes. É como se fosse um som novo no mundo, para mim. O pior é que as pessoas o fazem sem perceber, pois, na maioria das vezes, é automático.

Então no meu caso, para esses gatilhos, as estratégias de lidar com TOC vem diminuindo o incômodo. Atualmente quase não percebo sintomas similares a TOC.

Sons de lixar superfícies

Estes sons não causam aversão como os outros, mas uma sensação que a lixa está atuando no meu tecido esponjoso cerebral. É a única forma que consigo ilustrar (rsss). Claro que isso atrapalha minha atenção. É interessante que esta sensação era similar à que sentia durante os episódios de febre delirante. isso antes da cirurgia e da Misofonia. A febre delirante terminou, mas a Misofonia começou. Esse é o único gatilho que ainda não tenho solução ou tratamento. De repente é um efeito ASMR ultra exagerado. ASMR é a resposta meridiana sensorial autônoma, pois, ao contrário de quem sofre por causa da Misofonia, alguns sentem um prazer “arrepiante” ao ouvir alguns sons, como os de pessoas sussurrando.

Sons percutidos ou batidas de modo geral

Consegui superar esse gatilho com controle emocional de ansiedade e habituação, TCC e Acupuntura. Os sons percutidos que mais frequentemente ouço é o das pessoas batucando nas mesas enquanto trabalham, sons de passos no teto, canetas com ponta retrátil sendo acionadas, teclados, etc… Nenhum deles me afetam mais. Então para este gatilho considero que houve uma “cura” total. 

Barulhos de modo geral

Eu só chamo de barulho um som ou ruído em alto volume. Desde que não sejam nenhum dos gatilhos acima, não me incomodam dentro dos limites que meu sentido da audição pode suportar ou dependendo da atividade que esteja realizando. Ou seja, não sofro de HIPERACUSIA atualmente. De qualquer forma, eu evito ambientes muito ruidosos por muito tempo, para não piorar os problemas auditivos e ser mais um ponto de estresse na hora de reagir a um gatilho. Então não serei encontrado, espontaneamente, em show com caixas acústicas despejando toda a sua potência sonora.

Zumbidos (Tinittus)

Percebo 4 tipos de zumbidos. Dois são constantes. Em um deles parece um som de grilo o tempo todo, mas fica mais evidente quanto mais silencioso estiver o ambiente e o outro é quase um chiado, parecido com Ruído Branco.  Estou tão habituado a eles que quase não os percebo mais. Acredito que a terapia para os sons percutidos tenha me imunizado aos zumbidos presentes “dentro da minha cabeça”. Ainda há mais 2 zumbidos que são esporádicos e os percebo mais no ouvido esquerdo. Eles soam mais como um tom puro e um deles pude comparar com um aplicativo que gera tons com a forma de onda triangular e variam de 4.000 Hz e 6.000Hz. Tenho perda auditiva neurossensorial em 4.000 Hz, conforme as últimas Audiometrias que realizei. 

Eu citei somente esses cinco: Assobio, lixar, mastigação, chupar dentes e percutidos, pois são os que mais sobressaíram em 42 anos convivendo com o problema. Depois de um tempo sofrendo e sem perspectiva de melhorar, fui me tornando irritável a outros estímulos. Sons específicos, pessoas com marcadores linguísticos (ok, ok, né, né, entendeu, entendeu), Sibilâncias (finais de frase com ruído de “S” muito forte) e até situações irritantes diversas, envolvendo lidar com pessoas. Todos esses, ao meu ver, são gatilhos de ‘fundo comportamental’ provocados pelo estresse e distorção causados pelo sofrimento da Misofonia, em quem vivencia o problema. Não é à toa que nos grupos de apoio, há muita irritação relatada contra as pessoas, animais ou objetos que produzem gatilhos. No meu caso, mudanças de atitude e Psicoterapias, independente do conhecimento do terapeuta sobre Misofonia, podem ajudar e até resolver, mas vai depender das habilidades do terapeuta na utilização de várias abordagens, e após descartar a presença de outros problemas médicos ou psiquiátricos. Utilizei bastante os pressupostos da TCC junto com uma terapeuta comportamental e isso me ajudou a reduzir esses episódios de aversão. Para estes gatilhos “comportamentais” considero que estou quase curado. E curado não significa que tolero quando os ouço, mas que quase nem os percebo.

Saiba mais sobre em Psychology Today

Minhas considerações

É possível perceber nos parágrafos acima que para cada gatilho há um abordagem e conduta terapêutica diferente, pois, a Anamnese – que consiste no histórico de todos os sintomas narrados pelo paciente, é distinta para cada um de nós e para cada gatilho. Eu recomendo realizar essa Anamnese com Psicólogo(a) bem qualificado, pois eles têm as ferramentas mais eficientes para te ajudar a determinar o que difere para cada gatilho ao nível de sentimento/emoção e considerando traumas a situações que, às vezes, nem lembramos. Eu fui realizando esta anamnese em paralelo com uma Otorrinolaringologista, pois testes para verificar Níveis de desconforto auditivo, DPAC – Distúrbio de Processamento Auditivo Central complementam e outros possíveis problemas auditivos. Com um(a) Psiquiatra serão abordagens para avaliar outros aspectos de nossa saúde mental, como níveis de depressão, ansiedade, transtornos dissociativos presentes, etc. Com Neurologista podemos verificar algum desequilíbrio químico do nosso cérebro e presença de tumores. Vejam que é uma abordagem multidisciplinar. Tenho lido muitos relatos de Misofônicos nos grupos de apoio, onde eles reclamam do insucesso quando a consulta é direcionada somente a uma especialidade e, principalmente, quando estes profissionais não conhecem ou “nunca ouviram falar” sobre Misofonia.
Eu insisto em dizer que uma abordagem com apenas um profissional pode não ser bem sucedida pois não adiantar tentar resolver, por exemplo, aspectos emocionais e/ou comportamentais com a Terapia Cognitivo comportamental, Hipnose, BrainspottingEMDRNeurofeedback, Acupuntura e outros tratamentos válidos, se há a possibilidade de haver algum tipo de desequilíbrio químico no cérebro, ou outros transtornos médicos, fonoaudiológicos ou psiquiátricos, agindo em conjunto. Lembrando que a relação entre Misofonia e estes ainda é desconhecida.

Posto isso, vou completar que já tive situações extremas de ser incomodado, ter ódio, querer o mal de quem produzia sons, principalmente entre os meus 20 e 30 anos de vida, mas entendi depois que – reverberar o ódio e intolerância, independentemente de ser por causa da Misofonia ou do mundo, não ajuda, só piora os sintomas com o tempo. Sou agradecido por amadurecer com esta compreensão.
Não sou nenhum ser especial, apenas lutei e luto contra a Misofonia e não contra os sons. Contudo, nada impede que tenhamos que tomar medidas protetivas/preventivas se outros abusam do sossego alheio. O problema é quando essas medidas são a estratégia principal pois – o mundo não vai ser mais silencioso, pelo contrário.
Então além das medidas protetivas, medidas de tratamento da raiz de tudo – MISOFONIA – precisam ser levadas à sério.
Vou desenvolver estas considerações nas próximas publicações, onde vou mostrar todo o processo e o caminho que segui até chegar aqui e espero que este texto te traga novas luzes sobre como enfrentar Misofonia gatilho a gatilho. Eu torço para que todos possam tratar os problemas com a vida e com a Misofonia. 

E agora, assuntos para os próximos capítulos

Após o texto ser publicado no grupo apoio e um pouco antes de fazê-lo no site antigo (18/04/2019) , iniciei um tratamento novo. Na primeira sessão, o som de um assobio não me afetou. Na segunda sessão a terapeuta mastigou, sem perceber, um doce e eu nem me incomodei. Na terceira sessão deixei, por alguns minutos, de perceber o zumbido (chiado e grilos). E tudo isso nas primeiras sessões pois estava no início deste novo tratamento.
Trata-se do Protocolo PS para o Tratamento da Misofonia com Terapia EMDR, desenvolvido pela Psicóloga Patrícia Santana. Este protocolo segue as 8 etapas da Terapia EMDR, mas são direcionadas para a Misofonia. Na publicação original eu estava na segunda Etapa. Até a publicação deste texto neste site novo já experimento semanas sem que nenhum, MAS NENHUM, gatilho me afete com relação aos sintomas de Misofonia, como afetavam antes. O assobio – o pior dos gatilhos em mim, não me afeta mais. Ainda tenho que tratar o incômodo auditivo que descrevi no tópico Os Gatilhos, mais acima.

Publicado em 19/05/2019 no Grupo Misofonia – Síndrome, comemorando minha ida ao Circo

Aos 21 dias sem Misofonia, publiquei no grupo de apoio um texto comemorando minha ida ao Circo com minha família. Naquele local todos os gatilhos possíveis e inimagináveis estavam presentes e nem me afetaram. Então, creio que estou no caminho certo. Os detalhes irei revelando nas próximas postagens, mas não difere das atitudes que venho tomando e que facilitam o uso dessas terapias, como expliquei anteriormente.

Também vai ficar para outra postagem, o processo de dessensibilização dos gatilhos percutidos que realizei, conforme citei nesta publicação.

Então aguardem os próximos capítulos.

Coragem! Vamos vencer a Misofonia.

Semana Estadual de Conscientização sobre Misofonia – SECSM-2020

Campanha de 2020

O Estado de São Paulo é pioneiro em criar uma Lei que institui a [Semana Estadual de Conscientização sobre a Misofonia], a ser realizada, anualmente, na segunda semana de maio. O evento levará a portadores de Misofonia, profissionais de saúde, juristas e associações a oportunidade para debater questões como as dificuldades que os pacientes enfrentam desde a obtenção de um diagnóstico até o acesso ao tratamento adequado e a falta de capacitação do profissional da área da saúde. 

A Lei No, 16.638 foi sancionada pelo Governo de São Paulo a Lei em 5 de janeiro de 2018. O Projeto de Lei é de autoria do Deputado Gil Lancaster. 

Conforme o Artigo 1 da Lei, será realizada, anualmente, na segunda semana de maio

A Associação Virtual Brasileira de Misofonia tem a missão de divulgar sobre a Misofonia para toda a sociedade. Durante a campanha estadual realizaremos ampla divulgação para:

  • Divulgação para
    • Prefeitos e Secretários de Saúde (650)
    • Membros de Conselhos Municipais de Saúde (10.545)
    • Hospitais públicos e privados
    • Imprensa
    • Instituições de Ensino e Pesquisa
  • Incentivo a criação de fóruns para Promoção de Políticas Públicas para:
    • Acolhimento de pacientes com suspeita de Misofonia na Rede Pública de Saúde: SUS, CAPS, RRAS,UBS, Clínicas Universitárias
    • Elaboração de Protocolos Técnicos para manejo terapêutico
    • Apoio Jurídico para questões de cidadania

Em 2020 realizaremos a terceira edição desta campanha. O projeto será desenvolvido na Área de Projetos do PGCM

Acesse as edições anteriores no Facebook:

SECSM-2018

SECSM-2019

Nossa Publicação na OMS – Organização Mundial de Saúde

Dia Nacional da conscientização sobre a Misofonia – 2019

A Campanha sobre a Misofonia tem o objetivo principal de informar corretamente à população, autoridades e profissionais sobre esse transtorno que afeta milhares de pessoas no Brasil e no mundo. É objetivo,também, incentivar mais pesquisas sobre a Misofonia, um tipo crescente de hipersensibilidade auditiva e intolerância a sons baixos e repetitivos do dia a dia. Conhecida também como Síndrome de Sensibilidade Seletiva do Som ou 4S, esse incômodo, em mais de 90% dos casos, tem início na infância e na adolescência. Além disso, a falta de conhecimento faz com que os misofônicos sejam taxados. Isso aumenta ainda mais seu sofrimento, seja no seio familiar, no trabalho, escola, lazer, relacionamentos, etc.

O Dia Nacional da conscientização sobre a Misofonia ou Dia M, surgiu da necessidade de se criar um evento de divulgação, a AVBM e o Grupo Misofonia Síndrome, em 2017, iniciaram contato com outras iniciativas, como a do projeto então em tramitação na Alesp – Assembleia Legislativa de São Paulo, que posteriormente virou Lei e a campanha do Dia Nacional de Conscientização do Zumbido, denominado Novembro Laranja. Fomos então convidados pelo Instituto Ganz Sanchez a participar de eventos do Novembro Laranja, sendo a data de 12/11 sugerida para o Dia Nacional da Conscientização da Misofonia e 13/12 sugerida para o Dia Nacional da Conscientização da Hiperacusia.

A Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido foi criada em 2006 pela Dra. Tanit Ganz Sanchez para realizar ações voluntárias de divulgação do assunto durante todo o mês de Novembro, período que inclui o Dia Nacional de Conscientização do Zumbido (11/11). A Campanha recebeu o nome de Novembro Laranja e passou a ser promovida pelo Instituto Ganz Sanchez, incluindo também problemas de hipersensibilidade auditiva: Misofonia (12/11), Hiperacusia (13/11) e Fonofobia.

Acesse o Evento no Facebook em 2017 aqui

Acesse o Instituto Ganz Sanchez e material para divulgação aqui

Lista de Projetos

Eis algum dos projetos que estamos desenvolvendo com ajuda de voluntários e parceiros.

Portal de Gestão do Conhecimento em Misofonia

O projeto Portal de Gestão do Conhecimento em Misofonia – PGCM, vem preencher a necessidade de reunir diversas informações através de ferramentas colaborativas que permitem uma Gestão do Conhecimento sobre Misofonia, oferecendo estudos, fóruns, projetos e ferramentas para pesquisadores.

Este projeto foi migrado para a Base de Conhecimento em Misofonia

Dia da Misofonia – 2019

Este projeto envolve ações voluntárias e estratégias de divulgação em larga escala, na Sociedade Brasileira, de forma virtual e presencial, em torno do Dia da Conscientização da Misofonia – 12/11 ou Dia M. O projeto estará inserido na programação do Novembro Laranja, criado pelo Instituto Ganz Sanchez. Saibas mais.

Semana Estadual de Conscientização sobre Misofonia – SECSM-2020

Terceira edição da Semana Estadual de Conscientização sobre Misofonia em São Paulo. Este evento foi instituído ao calendário oficial do Estado de São Paulo pela Lei nº 16.638, de 05/01/2018 a partir do projeto de Lei nº 468/2017. Saiba mais.

Novo site misofonia.org

Projeto para migração deste site, com reestruturação de layout e conteúdo.

Este projeto foi concluído

Lista de Profissionais de Saúde

Esta lista foi elaborada a partir de relatos nos grupos de apoio, através de postagens no Facebook e por profissionais que nos contataram por e-mail.

Vamos migrar e atualizar nossa Lista de profissionais aos poucos e contamos com sua contribuição.

Indique um Profissional que trate pacientes com Misofonia

Indique o nome do profissional que trata pacientes com Misofonia
Indique qual é a especialidade do Profissional de Saúde
Qual o endereço onde o profissional atende
Qual a cidade que profissional atende
Telefone ou celular para contato